Resistência às melhoras

14 08 2010

Vim aqui e pensei: caramba.. o que eu vou postar hoje?… Mas pera ai! Pra que pensar? As pessoas hoje não querem ler nada de interessante mesmo… na verdade, hoje em dia as pessoas não querem nem mesmo ler alguma coisa, porque na verdade nos tornamos uma geração de espectadores da vida, ao invés de personagens dela. Preferimos assistir as coisas acontecerem no seu fluxo natural do que gastar nossas energias fazendo algo pra mudar o curso e quem sabe conseguir que as coisas saiam exatamente do nosso jeito. O medo de não atingir nossas expectativas impede a grande maioria da população (se não toda ela) de se quer tentar! e ai vão surgindo varias fobias em uns, rancor e murmúrios atravancados na alma de outros… mas o que fazer? É fato de que a sociedade está entrando em declínio (outra vez), mas como disse um amigo meu, isso já esta acontecendo desde que a sociedade foi fundada! E eu concordo com ele. Mas se não podemos salvar a sociedade… por que não salvar aquele pedacinho no qual estamos inseridos? Se cada pessoa pensante resolvesse transformar seus pensamentos em ações… aos poucos.. suas vidas iriam melhorar sem duvida, é cansativo, mas gratificante. Não digo que sou o “senhor ação” onde vivo, na verdade luto muito para fazer o pouco diferencial que consigo, até por que as pessoas que tem medo de tentar tem mais medo ainda de pessoas que tentam, por que essas ameaçam a comodidade na qual se acostumaram a viver, uma mudança no local onde se vive, nos obriga a mudar também, caso contrario seremos deixados de lado, e como essas pessoas tem medo de tentar uma mudança (e não conseguirem, ou mesmo de sair da sua “zona de conforto”), preferem rejeitar e/ou marginalizar essas pessoas que ao contrario delas, querem inovar e crescer. Podemos ver muito isso nas escolas, onde um aluno que quer se sobressair, é rapidamente rejeitado pelos demais. Na minha visão, isso é uma tremenda de uma burrice por parte da maioria. Veja um esquema da transformação de sala de aula perfeita:

A sala tem 30 alunos e um desses alunos cai na real e percebe que tem q se esforçar pra ser o melhor desde agora, por que no futuro ele precisará disso. Daí ele se empenha e se torna o primeiro aluno da sala. Daí outro olha pra esse, que era como ele mas agora esta tão na sua frente e pensa: “se ele conseguiu chegar aí, vou ser melhor que ele.” Daí esse outro se empenha e se torna alguém melhor que o primeiro (vou chamá-los de Pedro e Paulo respectivamente). Depois dessa virada, suponhamos que três alunos cheguem a seguinte conclusão: “se Paulo conseguiu ser mais inteligente que o Pedro, por que eu não?” dai estes se empenham em ser melhores do que os dois e ao mesmo tempo Pedro pensa: “Como pude deixar alguém me passar pra traz?! Tenho que ser o melhor de novo!” Daí temos 5 alunos se empenhando em ser os melhores. e seus sucessos motivam os demais.

Mas o que realmente acontece?

A verdade é que sempre tem alguém que toma o papel de Pedro nessa história, mas o que acontece em seguida é bem diferente. Ao invés de um tomar o papel de Paulo, um grupinho de alunos conclui erradamente: “Pow! Esse cara ta muito na nossa frente, agente vai ser marginalizado perto dele” (claro q não com essas palavras mas é basicamente isso que se passa pela cabeça deles), outro ao invés de ver aquele como um motivador para seu próprio crescimento, se incomodam e se enganam com a seguinte inverdade: “Poxa! que cara metido! tudo que agente fala ele vai e fala mais certo! ele deveria ficar quieto!”, isso quando elas literalmente não mandam o “Pedro” calar a boca no meio do seu discurso.

E isso não acontece só no meio estudantil. No meio empresarial, quantos não foram despedidos por terem atitudes corretas, éticas e honradas? Incontáveis!

A verdade é que só se pode melhorar em algo, quando você tem um adversário melhor que você.

Espero que tenham entendido isso e que ao encontrarem alguém melhor que vocês por aí, ao invés de rejeitá-lo, assumam o papel de Paulo, e tornem-se melhor do que ele.

Ah! E por favor! Façam isso de forma honesta (detalhe importante)

abraços!





Ética e Moral… Você sabe a diferença?

12 08 2010

– Uma palavra sobre Ética e Moral

Ética e Moral são duas palavras muito utilizadas nos dias de hoje, mas mesmo assim, apenas uma minoria da população realmente compreende esses termos, que muitas vezes se confundem em seus sentidos sendo interpretados muitas vezes como sinônimos. Esta interpretação, no entanto, é equivocada e apesar de estarem inseridas num contexto comum (as atitudes no meio social), possuem sentidos diferentes, e são aplicadas em momentos diferentes do cotidiano, sendo, hoje, utilizadas enormemente quando se fala de política, e autoridades.

Mas esses termos se estendem muito mais do que a esses dois exemplos. Ética e Moral estão presentes em cada uma de nossas ações, uma pessoa usando a internet tranquilamente em sua casa pode agir de forma antiética e/ou imoral.

Mas onde estão a ética e a moral nos dias de hoje?

A Ética e a Moral estão presentes em cada uma de nossas ações, tanto individualmente quanto em relação a outra pessoa ou grupo. Você pode ser imoral ao copiar um artigo de um blog e postar em sua página como de sua autoria, mesmo que ninguém nunca descubra você agiu de forma imoral. Você pode ser antiético ao não passar um recado que prejudicaria um colega de trabalho. E assim podemos ter vários outros exemplos práticos que acontecem com freqüência no nosso dia-a-dia e que muitas vezes, nós mesmos cometemos.

Mas então… Ética e Moral são a mesma coisa, não?

Não. Vamos voltar aos exemplos anteriores. Quando você copia um artigo de um blog e coloca em sua página da web como se fosse seu, esta agindo de forma imoral e antiética, mas não as duas juntas, esta sendo imoral ao não dar ao autor seus direitos autorais, roubando sua obra, e esta sendo antiético porque esta atitude pode vir a prejudicar o autor real do texto, e quase sempre prejudica. Mas se você ainda acha que isso tudo é a mesma coisa vamos ao outro exemplo. Você não passa um recado e isso prejudicou seu colega de trabalho, é uma atitude antiética porque você agiu de forma negligente para com outra pessoa, não se importou com o que aconteceria com ela caso você não desse o recado, e como resultado ela foi prejudicada. Mas isso foi imoral? Não. Pois não há nada que o obrigue a dar um recado a outra pessoa, a não ser sua consciência, certo?

Mas afinal, o que é Ética e o que é Moral? Como diferencia-las?

Este é o ponto chave que todas as pessoas precisam entender profundamente. O que é ética e o que é moral, pois assim saberão os dois valores básicos para se conviver com o outro, e no processo que é muito simples, aprenderá também a diferenciá-los. Danilo Melo, com referencias de Arnold Toynbee, cita em seu blog duas frases muito interessantes a respeito disso: “A moral preocupa-se com o CERTO e o ERRADO.” E a ética “preocupa-se com o BEM e o MAL.”.

Ainda está difícil diferencia-los? Vamos aplicar alguns conceitos básicos e exemplos bem práticos sobre estes dois termos que facilitarão a compreensão.

Moral – A Moral se refere às normas e leis que regem uma sociedade. Ela muda de local para local, de época para época e de cultura para cultura, de forma que se casar com mais de uma mulher no Brasil vai contra a legislação, logo vai contra as normas e leis da sociedade brasileira sendo assim, imoral. Mas em países árabes, por exemplo, a poligamia é permitida e exercida, lá isso é algo moral. Na sociedade urbana é imoral andar nu, é um atentado ao pudor, previsto por lei, mas numa sociedade de índios (principalmente se estes não tiveram contato com o homem urbano, o que já é muito difícil hoje em dia), é algo natural, é moral.

Ética – A Ética se refere ao meu comportamento em relação com o outro, se o que eu faço é bom tanto para mim quanto para o outro estou sendo ético. Um exemplo prático do dia-a-dia onde a maioria se comporta de maneira antiética. Se você encontra uma carteira na rua, vê que ela tem identificações e até endereço do dono, por ética deveria ir até o endereço e devolver a carteira, certo? Mas fazemos mesmo isso? A maioria das pessoas ficaria com a carteira mesmo assim, e ainda se livrariam dos documentos e de qualquer coisa que provasse que a carteira não era dele. Isto é uma postura antiética.

Agora você vê a diferença? Ética e Moral andam muito juntas (ou deveriam andar), mas moral é moral e ética é ética, e uma coisa pode ser ética, mas não moral, e vice-versa. As legislações tentam, mesmo que não conseguindo sempre, normatizar conceitos éticos. Estes estão firmados no caráter humano, de forma que o homem sabe o que é ético, mesmo optando por não realiza-lo. Mas vamos supor outra situação. Você foi e devolveu a carteira porque é a lei de Deus e você quer ir para o céu. Aqui, você agiu de forma moral. Logo, ao discernir entre ético e moral, devemos também levar em conta fatores do individuo. Porque estou fazendo isso? Porque é o certo ou porque isso me trará benefícios? (ou evitará punição ou algo do tipo). Lembre-se, ética é você e o outro, esqueça leis, normas, se você ainda assim faria do mesmo jeito por respeitar a pessoa que é o outro em todos os aspectos, então você foi ético. Se fez porque é o que a sociedade te diz que deve fazer, você foi moral.

– Características de Ética e Moral

Para finalizarmos esse assunto, vamos expor características da ética e da moral.

A moral tem um caráter:

  • Prático imediato
  • Restrito
  • Histórico
  • Relativo
  • Pressupõe punição quando desobedecida

Enquanto que, na ética, temos:

  • Reflexão filosófica sobre a moral
  • Tentativa de justificar a moral
  • O objeto é o que guia a ação
  • O objetivo é guiar e orientar racionalmente a vida humana

– E Amoral? É a mesma coisa que Imoral?

Apesar de parecerem ter o mesmo significado, amoral e imoral, são duas coisas bem diferentes. Mas então o que é Amoral? O Amoral não se enquadra nem no ético e nem no moral. Vamos começar com um exemplo. Uma chuva muito forte destelhou sua casa. Como avaliar isso? Não se encaixa no perfil de moral nem imoral, e não tem nada a ver com ética. Nesse caso temos algo amoral. Porém, nem todo desastre natural é amoral. Se choveu muito, o bueiro entupiu e entrou água na sua casa, isso foi amoral? Não! Foi imoral da parte da prefeitura pois ela tem o dever de fiscalizar o estado dos bueiros, e também foi antiético da parte dos moradores que jogaram lixo no bueiro, nas ruas, contribuindo para que ocorresse o desastre. Logo entendemos que o amoral se refere a situações onde o individuo ou situação em questão, não tem consciência do que é moral (certo ou errado). Mas como mostrar isso num exemplo de atitude humana? Vamos pegar como exemplo um cientista realizando uma pesquisa com tecnologia nuclear. Esta ação, ou seja, a sua pesquisa sobre tecnologia nuclear é amoral, pois ele não tem naquele momento uma consciência de sua ação ser moral ou imoral. Está movido pelo interesse cientifico e descobertas. Caso ele descubra uma forma de produzir uma arma, esta descoberta foi amoral, pois ele não tinha consciência de que resultaria naquela descoberta. Agora, caso ele tenha iniciado a pesquisa com o intuito de descobrir uma arma nuclear, aí ele foi imoral, pois tinha consciência do que estava fazendo, sabia que era algo que ia contra a moral, e mesmo assim o fez. E mesmo se ele descobriu a arma por acidente (ato amoral), a utilização de sua descoberta já entra numa questão moral. Assim amoral é um ato desprovido de consciência do que seja moral e imoral.





Hello world!

12 08 2010

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!